Multas

-80% dos acidentes de trânsito são causados por infraestrutura deficiente.
-15% por desatenção, falta de educação, omissão, imperícia
-5% são causados por falha mecânica ou elétrica.

 

Multar é resolver o problema a curto prazo (ou nem isso), como o Brasil vem fazendo, jogando para frente a solução do problema. Passam para as futuras gerações o problema. “Só se ensina se doer no bolso” … esse pensamento é tão criminoso quanto dos assassinos comuns, pois possibilita a continuidade das mortes no trânsito. Não se dá aspirina a quem esta com câncer. Chega de maquiar problemas, vamos resolver:

Educar é tudo. Quem pune ensina uma vez, quem educa ensina para sempre. Por isso nosso transito continuará matando. Preferem lucrar em cima do povo do que educar, persistente e sistematicamente. E culpar a parte fraca e ainda fazer ela pagar a conta, é má intenção criminosa.

“Estatísticas” “oficiais” colocam a culpa no condutor. As estatísticas do governo estariam corretas somente se a infraestrutura fosse perfeita, vejamos:

“Estatisticamente, 75% dos acidentes foram causados por falha humana (condutor), 12% por problemas nos veículos, 6% por deficiências das vias e 7% por causas diversas, ou seja, podemos dizer que o homem, no mínimo, é responsável, direta ou indiretamente, por 93% dos acidentes. Na atualidade, o Brasil participa com apenas 3,3% do número de veículos da frota mundial, mas é responsável por 5,5% dos acidentes com vítima fatal, registrados em todo mundo.” fonte do governo: http://www.transitobr.com.br/index2.php?id_conteudo=8

Para interpretar e trabalhar corretamente com estatística, por exemplo, você tem 50% de mortes vindas de ultrapassagens…. então terá de verificar em qual porcentagem elas ocorreram em rodovias não duplicadas. Feito isso deverá incluir isso como infraestrutura deficiente. É  trabalhoso mas   satisfatório lidar com dados reais que podem fazer a diferença para resolver o problema.

Solução: Investir pesado na Infraestrutura de Rodovias e tornar possível que todas as infrações de trânsito possam ser convertidas em cursos gratuitos de educação no trânsito. Dessa maneira se reduzem drasticamente os acidentes e se educa, criando a cultura da responsabilidade, cortando de uma  vez  por todas a raiz da industria de multas.

Educar é tudo.